sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Onde isso vai parar?


“Ela chegou com o líquido na mão, tacando. Pegou nas minhas pernas, continuou tacando líquido e pegou nas minhas costas".
(Priscila, 18 anos, grávida de três meses, em seu primeiro dia de aula)

---------------------------------------------------------------

“Eu estava descendo a rampa da faculdade quando a gente estava na fila do elefantinho. O que sei é que na hora que tacaram líquido em mim eu perguntei para uma moça, que disse ‘foi uma moça que tacou’”.
(Jéssica, de 17 anos, foi atacada dentro da mesma faculdade)

---------------------------------------------------------------

 'Foi uma brincadeira'
(Mãe de estudante que aplicou trote violento)

---------------------------------------------------------------

Realmente estou muito por fora mesmo. No meu tempo brincadeira era: Pular amarelinha, bolinha de gudes, esconde- esconde, pula corda e por aí vai...

2 comentários:

Jairo Souza disse...

Realmente! O trote tem que ser opcional! Mas uma vez aceito, devemos aceitar as consequências de nossos desejos!

railer disse...

os trotes precisam ser freados pois estão tomando proporções inimagináveis...