sábado, 7 de março de 2009

Parece um daqueles filmes bizarros em que a gente assistindo diz: “Ainda bem que não é real”.



Estou muito impressionada com o caso da menina de 9 anos estuprada por padrasto que foi submetida a aborto em Recife...

Não estou aqui levantando bandeira a favor do aborto, até porque esse caso vai além. 

Sabemos que os gêmeos eram inocentes, mas a criança que foi estuprada, não? 

Como podemos defender os que ainda nem nasceram se não somos capazes de defender os que estão aqui, com nove anos, que deveriam estar brincando, sonhando, estudando, mas ao contrário sofrem abuso sexual, ficam grávidas e ficam marcadas para o resto da vida?

Como não ficar indignada com os que se acham no direito de excomungar a mãe, os médicos e ainda dizer: “Ele (o padrasto) cometeu um crime hediondo, mas não está incluído na excomunhão”.

Não sei como nesse caso não aproveitaram a leva e excomungaram a probre menina também. Não me espantaria!

O Vaticano disse: “A Igreja não pode trair sua missão de defender a vida”. Sim, que bom... Comecem então gastando sua energia e “poder” e ajudem a salvar essa criança de apenas nove anos e outras tantas que passam pelo mesmo trauma diariamente!

3 comentários:

Lili disse...

É triste saber que a Igreja deixa desamparados os que mais precisam de seu apoio. A menina pesa 30 quilos e não teria como suportar a gravidez de gêmeos, por uma questão meramente fisiológica.
E ainda dá mais dó saber que essa família que foi excomungada é de uma região pobre do Nordeste, o que acabará por trazer um peso na vida cotidiana dessa gente que tem fortes valores religiosos. Uma condenação da Igreja Católica acaba sendo como uma espécie de sentença de morte religiosa.

railer disse...

não entendo... a igreja vive querendo trazer mais gente para fazer parte da sua doutrina mas, sempre que pode, dá uns foras desses...

Jairo Souza disse...

Verade! Mesnos tempo criticando e excomungando e mais tempo ajudando! Afinal essa sempre foi a missão dos missionários de deus aqui na terra!

Abçs!